sexta-feira, 25 de março de 2011

ENCONTRO DE JOVENS - TEMA: “Grupo de Jovens e Liturgia”



- ENCONTRO DE JOVENS -
TEMA: “Grupo de Jovens e Liturgia”
LEMA: “Não parecia que o nosso coração queimava dentro do peito quando Ele nos falava na estrada e nos explicava as Escrituras Sagradas?” (Lc 24, 32)

Introdução

O presente subsídio tem por intenção ajudar os jovens a compreender, amar e participar ativamente dos diversos momentos litúrgicos de sua comunidade.
Trata-se de uma manhã ou tarde ou noite, conforme cada realidade, em que os jovens se reunirão especialmente para este encontro.

O tema “Grupo de Jovens e Liturgia” e o lema “Não parecia que o nosso coração queimava dentro do peito quando Ele nos falava na estrada e nos explicava as Escrituras Sagradas?” (Lc 24, 32) querem ajudar os(as) jovens a preparar uma Celebração Eucarística ou Celebração da Palavra. O subsídio pode ser utilizado sempre que o grupo de jovens precisar preparar uma Liturgia.

Não se trata de um momento paroquial, mas comunitário. Cada grupo de jovens de base fará seu próprio Encontro de Jovens em sua própria comunidade, no dia e local determinados pelos próprios jovens. Sugerimos que seja realizado ao menos uma vez por mês.

Se uma comunidade da paróquia não tiver grupo de jovens de base, mas quiser convidar a juventude para realizar este Encontro de Jovens, isto deve ser permitido e até incentivado.

É importante que este Encontro de Jovens seja preparado antecipadamente, com carinho e dedicação, a fim de que dê frutos.
Devido às diferenças próprias de cada grupo de jovens de base, permite-se que o subsídio seja adaptado a cada realidade.

Cada jovem que participar deste momento seja incentivado a levar sua Bíblia e seu livro de cantos. Não é necessário que os jovens participantes tenham uma cópia deste subsídio.
Enfim, desejamos a todos e a cada grupo de jovens de base que aprofundem sua intimidade com Jesus Cristo compreendendo, amando e participando ativamente dos diversos momentos litúrgicos de sua comunidade. Que os Santos Esposos Maria e José e São Gaspar Bertoni, Apóstolo da Juventude, continuem intercedendo a Deus por todos nós.

 

CARDOSO, Ir. Kleber Luiz, css
Assessor Provincial da PJEst
Província Santa Cruz




Preparação
Os coordenadores devem se reunir alguns dias antes do Encontro de Jovens para prepará-lo atentamente. Deve-se evitar o improviso, mas sem matar a espontaneidade e a criatividade.

Tema do encontro
O tema é “Grupo de Jovens e Liturgia”; e o lema “Não parecia que o nosso coração queimava dentro do peito quando Ele nos falava na estrada e nos explicava as Escrituras Sagradas?” (Lc 24, 32). Este é um tema relacionado à dimensão mística e teológica de uma educação cristã integral da juventude.

Ambientação
O ambiente onde se realizará o encontro deve ser preparado com antecedência e deve ajudar os(as) jovens a se sentir bem. Preparar um ambiente que convide à oração (toalhas, flores, velas, cartazes, lugar de destaque para a Bíblia, uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, uma música suave ao fundo etc).

Acolhida
É preciso que os(as) jovens sintam que a presença deles(as) é importante. Os gestos sinceros (sorriso, aperto de mão, abraço, beijo...) ajudam a transmitir carinho e cativar os(as) jovens. A acolhida deve ser pessoal e depois comunitária. Um(a) jovem se responsabiliza pela recepção individual durante o Encontro de Jovens.

Animação
O encontro deve ser alegre e divertido. Músicas animadas (de preferência em sintonia com o tema do encontro) devem estimular os jovens a se soltar, cantar, dançar e bater palmas, sobretudo durante a acolhida, após a discussão e no final do encontro. Não precisam ser obrigatoriamente músicas religiosas. Também são muito úteis neste momento as brincadeiras. Uma música mais tranqüila encerra a animação preparando os(as) jovens para a oração inicial.

Oração inicial
É o momento de invocar a presença carinhosa da Santíssima Trindade e a intercessão dos Santos Esposos Maria e José e de São Gaspar Bertoni, Apóstolo da Juventude. Músicas podem ajudar. Uma vela acesa durante o encontro simboliza a presença de Deus entre os(as) jovens.

VER
É o momento de fazer memória, recordar (trazer novamente ao coração) os principais acontecimentos da semana. Alguém nasceu ou morreu? Foi assassinado ou assaltado? Está doente? Fez aniversário? Casou? Foi batizado? Chegou ou partiu? Passou ou reprovou no vestibular? Conseguiu ou perdeu o emprego? Houve alguma data comemorativa? Choveu demais ou de menos? Houve algum fato regional, nacional ou internacional importante que passou nos meios de comunicação? Está-se vivendo um tempo litúrgico específico (Advento, Quaresma, Páscoa...) ou festa própria (Pentecostes, Dia dos Pais, Nossa Senhora Aparecida...)? Aqui vale muito a criatividade. É preciso que estas memórias e recordações sejam registradas em cartazes ou numa lousa para que todos vejam.
Organizar os(as) jovens em três grupos: FÉ, ESPERANÇA e CARIDADE. Entregar a Primeira Leitura da Liturgia ao grupo FÉ, a Segunda Leitura ao grupo ESPERANÇA e o Evangelho ao grupo CARIDADE. Dentro do grupo, cada jovem faz sua leitura pessoal e, em seguida, os jovens fazem uma leitura comunitária. Todos permanecem um instante em silêncio para meditação pessoal.

Discutir
É o momento de provocar a discussão e reflexão entre os(as) jovens. Os coordenadores devem preparar com antecedência algumas perguntas e lançá-las para discussão nos grupos.
Por exemplo:
- Quem são as(os) principais personagens do texto?
- Sobre quem ou sobre o que estão falando?
- Quais são os sinais de vida e esperança presentes no texto?
- Quais são os sinais de morte e desespero?
- Qual é a palavra, frase ou versículo mais importante? Por quê?
Após a discussão, os grupos abrem um plenário para partilha. Este momento deve durar no máximo trinta minutos. Juntas(os), as(os) jovens preparam uma pequena frase que resuma a mensagem dos três grupos. As respostas encontradas podem ser registradas em cartazes ou numa lousa para que todos vejam.

JULGAR
É o momento de confrontar as memórias e recordações desta semana com a Primeira Leitura, com a Segunda Leitura e com o Evangelho. Em que elas iluminam a realidade recordada? O que Deus nos promete? O que Ele espera de nós?  Trata-se de olhar a realidade com os olhos de Deus. Um olhar crítico, mas cheio de amor, misericórdia e esperança. As respostas encontradas podem ser registradas em cartazes ou numa lousa para que todos vejam.

AGIR
É o momento de arregaçar as mangas e botar a mão na massa. Os grupos FÉ, ESPERANÇA e CARIDADE novamente se reúnem.
O grupo FÉ, a partir do confronto das memórias e recordações desta semana com a Primeira Leitura, com a Segunda Leitura e com o Evangelho, prepara algumas preces de perdão ou escolhe um canto de perdão ou prepara uma dinâmica para o Ato Penitencial. Podem ser úteis recortes de jornais e revistas, cartazes, símbolos, objetos, encenações... Aqui vale muito a criatividade. Além disso, o grupo escolhe algumas(ns) jovens para a acolhida das pessoas durante a Celebração Eucarística ou Celebração da Palavra e para distribuir lembrancinhas ao final da celebração, escolhe uma(um) jovem para fazer os comentários e uma(um) jovem para ler a Primeira Leitura.
O grupo ESPERANÇA, também a partir do confronto das memórias e recordações desta semana com a Primeira Leitura, com a Segunda Leitura e com o Evangelho, prepara algumas preces para a Oração da Comunidade, escolhe um canto de oferendas ou prepara uma dinâmica para o Ofertório. Podem ser úteis recortes de jornais e revistas, cartazes, símbolos, objetos, encenações... Aqui vale muito a criatividade. Além disso, o grupo escolhe uma(um) jovem para ler a Segunda Leitura e duas(dois) jovens para ler a Oração da Comunidade.
O grupo CARIDADE, também a partir do confronto das memórias e recordações desta semana com a Primeira Leitura, com a Segunda Leitura e com o Evangelho, prepara uma mensagem para o final da Celebração Eucarística ou Celebração da Palavra apontando alguns possíveis gestos concretos ou compromissos, e escolhe um canto mariano ou de ação de graças, ou prepara uma apresentação para homenagear Maria, Mãe de Jesus e da Juventude. Podem ser úteis recortes de jornais e revistas, cartazes, símbolos, objetos, encenações... Aqui vale muito a criatividade. Além disso, o grupo escolhe algumas(ns) jovens para fazer a coleta durante o Ofertório.
Quando concluírem suas atividades, os grupos voltam para um local único e uma(um) jovem se responsabiliza por anotar o que cada grupo preparou. Atenção: é preciso lembrar que a Celebração Eucarística ou Celebração da Palavra deve durar aproximadamente uma hora, por isso é bom evitar exageros que a prolonguem demasiadamente. Uma cópia da anotação deve ser entregue ao padre ou ministra(o) celebrante a fim de que ele(a) saiba como se dará a celebração.

CELEBRAR
É o momento de louvar a Deus por suas graças, pedir perdão pelas faltas cometidas e apresentar-Lhe os pedidos e o compromisso assumido. É importante que este momento também esteja em sintonia com o tema do encontro. Músicas podem ajudar.

Despedida
Os coordenadores agradecem a presença dos(as) jovens e, especialmente, daqueles(as) que vieram pela primeira vez. Recordam as próximas atividades. Parabenizam os aniversariantes. E pedem que todos se despeçam com o abraço da paz.

REVER
Concluído o encontro, os coordenadores fazem uma breve avaliação sobre os pontos positivos, negativos e sugestões para os próximos encontros. A avaliação deve ser feita com sinceridade e fraternidade. Podem consultar algumas(ns) jovens para que a avaliação seja bastante realista e expresse a opinião do grupo.


ANEXO 1: Dicas úteis

1. O ideal é que os jovens que participam do grupo de base escolham um local na igreja para que todos fiquem sentados próximos uns dos outros, a fim de que o grupo tenha visibilidade. Se o grupo já tiver uma camisa, todos devem ser incentivados a usá-la pelo menos no dia desta celebração.
2. É bom que seja preparado anualmente um Folheto de Cantos da PJ Paroquial próprio para as Celebrações Eucarísticas ou Celebrações da Palavra preparadas pela e para a juventude. Os cantos podem e devem ser mais animados e alegres, mas sempre respeitando os diversos momentos da Liturgia (entrada, ato penitencial, hino de louvor, procissão da Bíblia, aclamação ao Evangelho, ofertório, Santo, Amém, Pai-Nosso, abraço da paz, Cordeiro de Deus, comunhão, ação de graças, Maria, final...), os tempos litúrgicos específicos (Advento, Quaresma, Páscoa...) ou festas próprias (Pentecostes, Dia dos Pais, Nossa Senhora Aparecida...). Para tanto, pode-se recorrer à Pastoral Litúrgica Paroquial. O ideal é que os próprios jovens toquem instrumentos e cantem nesta celebração. Se não for possível, pelo menos cantem as músicas com alegria e entusiasmo, com palmas e danças.
3. Quanto aos comentários, é bom que não sejam lidos do folheto, mas preparados pelos próprios jovens e dirigidos espontaneamente à comunidade. Pede-se que os comentários não sejam longos. No comentário inicial, o mais importante é acolher as pessoas com alegria, fazer com que elas se acolham mutuamente, e ajudá-las a fazer memória, recordar (trazer novamente ao coração) os principais acontecimentos da semana. Antes da Liturgia da Palavra, é bom que haja apenas um único comentário. Comentários exagerados são dispensáveis. Ao invés de explicar o significado de um símbolo ou objeto utilizado na Liturgia, é melhor perguntar às pessoas o que elas entendem sobre ele.
4. Sempre que possível, entregar no final da celebração uma lembrancinha para os jovens, principalmente para quem ainda não participa do grupo de base. Também seria oportuno que, terminada a celebração, o grupo de base pudesse oferecer refrigerante e bolacha como pretexto para que estes jovens permaneçam um tempo juntos antes de voltar para casa, a fim de conhecer quem participa do grupo.




ANEXO 2: A Missa
           
O que é a Missa?
            A missa é uma festa.

Festa de quem?
            Festa de Jesus e da comunidade.

Festejar o que?
            A vitória de Jesus sobre a morte e o pecado; a presença de Jesus ressuscitado no meio de nós; nossas alegrias; nossas tristezas; nossas vitórias; nossas derrotas; nossos sonhos; nossas esperanças; nossa caminhada ao encontro de Deus.

Por que festejar?
            Porque amamos Jesus e amamos as pessoas que formam a comunidade; porque Jesus nos pediu (“Fazei isto em memória de mim”).
                       
O que é preciso para que aconteça uma festa?
Pessoas; um motivo; um local; um horário; roupas apropriadas; acolhida; diálogo (falar e escutar); músicas; comida; bebida; presentes; despedida.

Como acontece esta festa?
Nós que amamos Jesus e também nos amamos uns aos outros nos reunimos em nossa comunidade para atender ao pedido de Jesus e festejar sua vitória sobre a morte e o pecado, sua presença de ressuscitado no meio de nós, nossas alegrias, nossas tristezas, nossas vitórias, nossas derrotas, nossos sonhos, nossas esperanças, nossa caminhada ao encontro de Deus.
Ao chegarmos na festa, logo cumprimentamos Jesus e, em seguida, acolhemos as demais pessoas que já chegaram e as que estão chegando.
Depois que todas as pessoas chegaram e se acolheram, alguém nos convida a ficarmos em pé para o início da festa com uma música.
Em seguida, quem está dirigindo a festa também acolhe as pessoas da comunidade convidando-nos para traçar em nosso corpo o sinal-da-cruz, lembrando que nós pertencemos a Jesus.
Nós festejamos nossas tristezas e derrotas no momento do Ato Penitencial, quando reconhecemos nossos pecados e fraquezas e pedimos o perdão de Deus através de uma música.
Porque acreditamos que Deus sempre nos perdoa, nós festejamos nossas alegrias e vitórias no momento do Hino de Louvor, quando recordamos sua vitória sobre a morte e o pecado e sua presença de ressuscitado no meio de nós através de uma música.
Após a Oração Inicial, nos silenciamos para escutar com atenção o que Deus tem a nos falar, assim como Ele escutou com atenção o que Lhe falamos no Ato Penitencial e no Hino de Louvor. As pessoas que fazem as leituras emprestam sua voz para que Deus mesmo fale através delas.
Terminadas as leituras, quem está dirigindo a festa ajuda as pessoas da comunidade a compreender o que Deus falou através das leituras.
Para demonstrar que compreendemos e aceitamos viver tudo o que Deus nos falou, rezamos o Creio, recordando as principais verdades da nossa fé.
Nós festejamos nossos sonhos e esperanças no momento da Oração da Comunidade, quando apresentamos a Deus, por meio de Jesus, nossos pedidos e necessidades pessoais e também os pedidos e necessidades da comunidade e da sociedade.
No momento do Ofertório, oferecemos a Deus como presentes nossa vida e nosso trabalho, representados pelo pão e pelo vinho, comida e bebida, para que Deus mesmo nos devolva transformados no Corpo e no Sangue de Jesus, pela força do Espírito Santo. Eles são presentes e alimentos para nossa salvação. Ainda neste momento, repartimos com as demais pessoas da comunidade o pouco que temos (dinheiro, alimento, etc...) para as despesas da comunidade e para as pessoas mais necessitadas. Quem está dirigindo a festa pede a Deus que aceite nossa oferta de pão e de vinho assim como nossa partilha comunitária.
Durante a Oração Eucarística, louvamos a Deus, cantamos sua santidade, recordamos e atualizamos a Última Ceia, rezamos pela unidade da Igreja, pelo nosso Papa, Bispo e Padres, pelas pessoas falecidas e por nossa perseverança na caminhada ao encontro de Deus.
Antes de nos alimentar da comida e bebida sagradas, Corpo e Sangue de Jesus, como filhos e filhas do mesmo Pai nós rezamos a oração que Jesus nos ensinou: o Pai-nosso. Também rezamos e cantamos para que todas as pessoas vivam em paz, enquanto mostramos uns aos outros que nos amamos com um abraço.
Enquanto se prepara o Corpo de Jesus para que nos seja distribuído, rezamos ou cantamos o Cordeiro de Deus.
Durante a distribuição do Corpo de Jesus, cantamos a música da Comunhão. Depois que recebemos o corpo de Jesus, em silêncio agradecemos sua presença dentro de nós, seu amor por nós, e aproveitamos para lembrar Jesus de que o amamos muito. Também pedimos forças para vivermos como verdadeiros cristãos e irmãos uns dos outros.
Depois da Oração Final, a comunidade avisa sobre os compromissos da semana; quem está dirigindo a festa pede a Deus que nos abençoe e, antes de continuarmos a festa no nosso dia-a-dia, nos despedimos uns dos outros.

2 comentários:

  1. Missa é festa? Sinto muito, Mais é por isso que as igrejas estão vazias de jovens, não ensinam o verdadeiro significado de ser católico, nem os valores da tradição. Missa a Própria Atualização do Sacrifício de Jesus por nós, onde é apenas lembrado a sua resucitação. Missa Não é lugar de pizeiro, de muito aê... Espero que Jesus, junto de sua Mãe Santíssima Orem e Intercedam por essa Pastoral que é tão difundida no Pais. Tenho orgulho de dizer que sou joven, e que sei dos valores de minha Igreja, Una e Santa.

    ResponderExcluir
  2. A alienação é foda ! com o perdão da palavra... Pra mim, nosso colega acima falou merda.....sou Pjoteiro...temos nossa mística e sou convicto da minha religião. O que a memória amou...ficou eterno.

    ResponderExcluir